Inspiração, influências e cópias


Um ídolo sempre existirá em todas as carreiras, seja um músico, uma bailarina, um desenhista, um atleta, um professor, etc. Sempre há alguém que certamente plantou uma sementinha da sua profissão em você. E várias sementinhas juntas são capazes de formar um jardim inteiro, não acham? Cada pessoa que tivemos contato, desde a infância até a vida adulta, nos inspiraram em algum propósito, nos influenciaram sob algum aspecto, nos abriram os olhos da mente para algo simplesmente inovador para nossa alma. Aos poucos vamos criando conceitos próprio sobre o que queremos , o que somos, o que pretendemos ser ou alcançar para nós mesmos. Constantemente estamos sendo lapidados a partir das antigas, novas e variadas informações que recebemos ao longo da vida. E , assim, nos tornamos o que somos e seguimos um rumo.

A partir disso, fiquei a pensar sobre algo na dança: bailarinas que nos motivam nesta área artística. Somos bombardeados diariamente com inúmeras informações de todos os lados e de todos os tipos, cabendo a nós filtrar aquelas que nos convém. Na dança, não é diferente. Primeiramente, acredito que alguma coisa nos motiva a praticar a dança: seja uma bailarina que assistimos uma vez em um restaurante; seja uma novela ou filme; seja por causa do tipo de música ,etc. Enfim, há muitos motivos que tenham te levado a dança; e esse foi o primeiro pontapé, que se chama MOTIVAÇÃO ou ESTÍMULO INICIAL e esse é o despertar, é um novo nascer para aquela pessoa que descobre esse mundo, como por exemplo, o da dança do ventre, que é o enfoque do texto.

Ao entrarmos de cabeça nesse “novo mundo”, estamos sedentos por todo tipo de informação sobre o mesmo. Aos poucos, na arte de aprender a dança, vamos descobrindo mutuamente que há ídolos inseridos no mesmo; e despertamos o olhar para alguns deles, pois nos identificamos com os mesmos, tendo uma certa atração por aquilo que ele faz.

Tais pessoas, talvez acabem sendo endeusados e vistos de formas intocáveis. Eles são tão distantes de você, em uma primeira ocasião. E eles inspiram-lhe a dançar; eles motivam você, pois um dia você quer se tornar um pouco ou tão bom quanto ele. A imagem de tais bailarinos, da sua capacidade e talento, faz você acreditar que um dia poderá alcançar o mesmo. E isso o motiva a estudar mais e a conhecer mais a arte.

Ao longo do seu estudo, você descobre que há mais do que aqueles que lhe INSPIRAM, como roupa, expressão, atitude, dança,etc, mas sim aqueles que INFLUENCIAM na dança, isto é, você acaba inserido seus passos na própria dança. E isso é saudável até um primeiro momento.

Entretanto, vocês já pararam para pensar que, se essas pessoas que nos inspiram e nos influenciam constantemente durante a vida não existissem, ou se não tivessem seguindo o caminho que escolheram, como por exemplo, se a Rachel não tivesse conhecido Carolenna Nericcio , Suhaila Salimpour ,o grupo Habbi'ru e o Yoga, ela não teria se tornado o que é, e não teria seguido na dança. Talvez, seguindo essa linha de raciocínio, a dança tribal não tivesse se tornado o que se tornou, e tivesse outras características principais e outro comportamento e estilos. Assim, nós que apreciamos sua arte também não teríamos seguido o caminho do tribal, ou da dança, ou não teríamos tais influências; e nossa dança seria totalmente diferente. Já pensou na importância desses ídolos na sua vida e em um movimento inteiro chamado estilo tribal de dança?

Contudo, a partir do momento em que você não busca por algo mais, que você não se desafia, e não coloca a sua própria personalidade, dando, portanto, vida própria a sua dança, ela vai morrendo em uma cópia ou sombra daquelas que lhe influenciaram e/ou inspiraram. E a bailarina pára por aí, pois só se destaca mesmo aquelas que ousam em ser elas mesmas, expressando cada sentimento , sua personalidade, seus gostos, enfim, sua essência. E essas são eternizadas e acabam virando ídolos, inspirações e influências, não são mesmo?

Por isso, devemos buscar sempre novos horizontes. Influências e inspirações na dança e fora dela, pois isso torna mais variado e rico o seu repertório, completando, assim, sua dança. Procurar professoras que tenham as característica que você busca, pois são elas as responsáveis em passar toda sua carga genética adiante e , portanto, suas mestras estarão formando alunas que ganharam tais “genes”. Desta forma, você estará se preparando para aquilo que anseia se tornar. Muitos profissionais da danças se reciclam, viajando até mesmo para o exterior, em busca de novas características, de novas influencias, pois querem aquilo na herança genética de sua dança, seja para engrandecer seus conhecimento, passando adiante para seus discípulos, ou seja para incrementar na sua atual dança, atualizando constantemente e dando forma, força e expressão a mesma.

A arte de se expressar sempre se tornará confortável a você e bela aos olhos de outros quando você reflete aquilo que você gosta, aquilo que você conquistou para si mesmo, ousando, largando, assim, as "rodinhas da bicicleta" e, portanto, querendo se afastar da cópia para torna-se original e seguir em frente com o seu caminho.
Comentários
8 Comentários

8 comentários:

  1. GURIA!!!

    Estamos numa mesma sintonia!
    Acabei de postar algo do tipo, não tão profundo, na verdade falo especificamente sobre o poder que a Rachel desperta nas tribalescas, de como ela as inspira...

    "É nóis" GATAN!

    Adorei o post, mas como dizia o gênio Thomas Edison:

    "O gênio é 1% de inspiração e 99% de suor".

    Então, que não se iluda quem acha que vai descer as ciganas, as dançarinas mortas e te fazer dançar como nunca, o segredo é praticar, praticar, estudar, estudar que vc será a melhor entre as melhores...


    Mil beijos

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto!! Muito verdadeiro... Todas nós, a partir do momento que escolhemos nos expressar artisticamente, e até mesmo tirar da dança e da arte o nosso oficio, temos a obrigação de mergulhar fundo dentro de nós mesmas e acrescentar algo à evolução da dança que tanto amamos. Não é uma tarefa fácil, mas é isso que nós torna melhores e não meras cópias como você falou...
    Parabéns pelo texto e continue trazendo luz ao mundo tribal!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que máximo! Acabei de postar uma frase no facebook relacionada a isso e nem tinha lido seu blog ainda! "não copie, se espelhe e crie o novo...enquanto vc se enjaula no mundo da cópia, alguém investe em ser original para futuramente ser copiado por você..." [eu, vendo vídeos e encontrando cópias e moldes originais]acho que fui um pouco mais agressiva... gostei da forma como vc colocou as palavras de forma carinhosa e motivadora.

    PARABÉNS PELO TEMA ABORDADO! MUITO BOM SEU TEXTO!
    Beijos,
    Rebeca Piñeiro

    ResponderExcluir
  4. Yessssssssssss!!!
    .
    ABAIXO A GUERRA DOS CLONES!!!
    .
    Lililililiiiiiiiiii .......

    ResponderExcluir
  5. Panda ...arrasouuu menina....é isso aí.....CRIATIVIDADE...Liberar o artista dentro de cada um....bjusss

    ResponderExcluir
  6. Obrigada meninas! Fico feliz que tenham gostado da forma pela qual expressei o assunto. Beijos a todas!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom o post, flor...
    Mas sabe o que mais me intriga? A velha síndrome do "não é comigo"...
    É impressionante observar como as pessoas que mais copiam ainda se acham originais... É triste ver que tem muita gente se auto-promovendo em cima do que já foi feito e propagando aos quatro ventos "SOU PIONEIRA"!
    O mais TOSCO nisso tudo, é que tem gente vendendo seu peixe por aí como original copiando bailarinas com menor reconhecimento... Com essa onda de DARK FUSION from hell, as verdadeiras bailarinas do underground são descaradamente copiadas... e ninguém fica sabendo...
    Obrigada por ainda saber falar as coisas de forma mais sutil, porque duas décadas vendo isso cansam, e a gente vai ficando bocuda... rsrs...
    Beijos...

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...