Dando as Boas-Vindas

por Raphael Lopes

É com muita satisfação que escrevo essas linhas e que entro nessa nova empreitada, sob o convite da querida Aerith Asgard. Espero poder somar de forma descontraída, mas muito bem embasada por aqui, e antes de tudo gostaria de me apresentar:

Me chamo Raphael Lopes, sou santista (morando atualmente em São Paulo) e tenho 30 anos, dos quais os últimos 15 foram totalmente e apaixonadamente devotados à dança.  No início meu foco era totalmente o street dance old school, tendo feito parte de duas talentosas cias de dança da baixada santista. Nessa época iniciei minha pesquisa em danças étnicas, estudando flamenco, dança tahitiana e danças árabes. Logo viria a dança indiana, que seria e é o meu maior escopo de aprofundamento.

Entre os anos de 2002 e 2004 fui diretor da Cia Ágora, que era fruto dos meus estudos das diversas danças étnicas mescladas e aplicadas na linguagem do hip hop. Mal sabia eu que já estava de forma muito natural e espontânea aplicando a identidade fusion do Tribal num trabalho que ainda se rotulava como “dança de rua”.

Na mesma época ganhei uma bolsa para estudar Ballet Clássico, e já entrando na faixa dos vinte e poucos anos me deparei com um conflito comum à maioria dos bailarinos: conciliar a dedicação total à dança com uma rotina de trabalho.

Durante dois anos a dança se tornou matéria de estudos teóricos apenas, uma vez que meu tempo e disposição impediam uma rotina de práticas e aulas. Mas acredito que essa fase também mereça um destaque em especial. Sou virginiano, um leitor inveterado e consumidor de arte. Esse período foi crucial para iniciar em mim um caráter crítico, uma habilidade para analisar os trabalhos de dança e entender as raízes que alicerçam a cena atualmente.

Meus estudos com as professoras de danças clássicas indianas em São Paulo me fizeram me deparar com o elitismo que existe ao redor de certos estilos de dança. E não digo unicamente pelos valores cobrados em aula, até porque existem outros estilos “mais acessíveis”, ainda assim exorbitantemente caros unicamente por conta do “nome” do profissional.

Porém receber o convite para uma imersão na Índia, certamente foi o divisor de águas na minha carreira. Tanto pelo respaldo que uma certificação internacional pode conferir, quanto pela experiência adquirida. Com o retorno dessa viagem fui professor no SESC, e logo fui convidado para ser professor de Odissi na Escola Campo das Tribos.

A proposta era instigante!!! Seria uma oportunidade de me lançar na capital, e ao mesmo tempo de exercer uma função que tomei como sagrada: elucidar ao público do Tribal sobre os mitos e verdades da dança indiana e suas fusões com o Tribal (ou vice e versa rs). Convivendo com o ambiente Tribal acabei me apaixonando pelo ATS® (estilo que venho estudando há um ano com a Sister Studio Rebeca Piñeiro), e após uma década de dedicação exclusiva ao estilo Odissi também iniciei agora em 2014 meus estudos em Bharata Natyam com a bailarina sênior Krishna Sharana, do sul do país.

Espero poder enriquecer a todos os nossos leitores com os meus artigos, que vão abranger todo o universo da dança, tendo o Oriente e as danças da Índia como norte. Aqui também vou trazer curiosidades sobre a Índia, dicas de maquiagem, vestuário, cinema, música, e cultura em geral. Porque a dança é mais do que uma expressão em isolado, ela é o estandarte e o barômetro de uma cultura.

E se a Índia é uma das culturas mais antigas em plena atividade, um dos motivos certamente é pela forma como se desenvolveu e preservou suas artes.

Um grande beijo, e até a próxima!!!!






Índia - em Dia
_______________________________________
São Paulo, SP
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

  1. Muito feliz em acpanhar de perto (muitas vezes até de camarote rs) esse espetáculo único que é o seu envolvimento com a dança Rapha. Desde sua postura enquanto eterno aluno até a maneira como multiplica seu talento com seus alunos. Vejo um sentimento verdadeiro em cada palavra que você usa para tratar do assunto: Dança! Como se fosse sua própria alma à dançar pela vida. Parabéns mais uma vez, não só pelo talento que seu é NATO, mas por conferir com tanta seriedade (mesmo que de maneira descontraída) o sagrado ao sagrado. Te Amo!!!!!!!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...