[Resenhando]Um guia sobre o Tribal Fest 15 sob a visão de uma norte americana

por Raphaella Peting





PRÉ-EVENTO

  
Como surgiu a idéia e oportunidade?
Desde que eu era uma tribalista jovem, dançar no  infame palco do Tribal Fest era um sonho meu. A coisa interessante sobre um sonho é que ele pode ser tão assustador quanto é emocionante, é por isso que muitos dançarinos esperaram até mais tarde na sua carreira de dança para tentar fazê-lo.

Além disso, muitos dançarinos, incluindo eu mesmo, vê-lo como um rito de passagem. Com o meu aniversário de ouro se aproximando (30 anos em 30 de maio), eu pensei que era o momento certo.

Preparações - expectativas, medos e dificuldades antes do evento
Califórnia pode ser muito caro, por isso é importante se preparar financeiramente. No entanto, a preparação mais importante é psicológica e física. O cérebro é uma ferramenta poderosa. Tudo o que fazemos na vida é 90% mental e 10% físico. É uma boa idéia saber sua coreografia para o ponto em que você sucumbe seus nervos no palco,pois sua memória muscular pode assumir.

É interessante que ocorre à sua mente quando entra no palco pela primeira vez. Eu fui uma dançarina do ventre por mais de 15 anos, então eu não sou uma estranha para o palco. Ainda assim, eu estava mais nervosa antes do meu solo no Tribal Fest do que eu era antes do meu casamento!  A energia do palco e da audiência ... Eu me sentia como uma iniciante de novo; pisando no palco pela primeira vez na minha vida. Apesar do fato que fui avisada sobre esse sentimento de muitas conversas com amigos que tiveram a mesma experiência, fiquei surpresa com o nível de nervosismo.

Meu conselho é tomar cuidado extra na preparação de seu corpo, ter uma boa noite de sono e , mais importante, fazer um mínimo de 30 minutos a uma hora de meditação, todas as manhãs. 

Além do caso inesperado de nervos mencionados anteriormente, se acostumar com as 6 horas de diferença de horário é um pouco difícil.


DURANTE O EVENTO


Raphaella e Suhaila Salimpour


Rotina no evento
O primeiro dia em que cheguei, encontrei um ginásio com um estúdio de dança onde eu poderia praticar. Então, todos os dias depois dos meus workshops eu ia correr 5 quilômetros, fazer a minha hora de condicionamento e exercícios de fortalecimento, e depois, prática por mais 2 ou 3 horas. Depois havia tempo para jantar e dormir.

Entre meus workshops, eu interagi com outras dançarinas (e eu estou MUITO feliz que eu o fiz, porque eu conheci o estilista de UNMATA que concordou em fazer o meu cabelo para o Show!) e com certeza encontrei tempo para um monte de COMPRAS! Havia uma quantidade infinita de figurinos elaborados e jóias! Eu ainda posso ouvir a minha carteira chorando.

Dificuldades durante o percurso para o evento
Eu recomendo de ir ao evento com um grupo de dançarinas ou a trazer um amigo com você. Dirigir as 2 horas sozinha a partir de São Francisco para Sebastopol depois de muitas horas de viagem de avião pode ser muito intimidante e cansativo.

Primeiras impressões do evento 
Pode ser intimidante, especialmente se você não conhece ninguém lá e é sua primeira vez. Então, se você é uma pessoa tímida como eu, você pode sentir um pouco desconfortável no início. No entanto, apesar do fator de intimidação para uma virgem de Tribal Fest, há um verdadeiro sentimento de camaradagem no ar, quase como uma reunião de família. Este fato fez o tema do evento "Tribal Fest 15: A Family Reunion", divertidamente irônico.

A infraestrutura do evento
Há uma grande quantidade de workshops e eles são bem organizados. No entanto, porque há 4 dias de shows (quinta a domingo, dia e noite) ocorrendo ao mesmo tempo com os workshops, é quase impossível ver todos os seus artistas favoritos.


Amy Sigil e Raphaella


Sobre os workshops 
Eu tomei workshops com o gênio criativo e fundador do UNMATA, Amy Sigil e um dos meus heróis pessoais, a lendária Suhaila Salimpour. Eu estudei com Amy por muitos anos e posso dizer uma coisa com certeza: workshops com ela SEMPRE têm um nível de intensidade e te força a pensar fora da norma e flexionar seu músculo criativo. Mas desta vez Amy formou a estrutura do workshop como um jogo de memória com todos os participantes interagindo com os outros (e havia um MONTE de participantes!). Como eu disse, esta mulher é um gênio criativo!

E Suhaila, uau! Eu me sentia como um iniciante de novo em seu Workshop. O tema de seu workshop consistiu da técnica do quadril. Mas posso te dizer, meus quadris não eram a única parte do meu corpo que eu senti! Ela trabalhou meus glúteos, coxas, pernas, abdominais e, claro, a mente. Quase todas as dançarinas que nunca tiveram Suhaila como uma instrutora antes descobriram rapidamente que esta senhora significa NEGÓCIOS.  Ela vai quebrar os maus hábitos que você adquiriu ao longo dos anos, dos quais muitas dançarinas não percebem que estão incorretos.

Além disso, a mulher tem a percepção sensorial como Yoda! A sala estava cheia de estudantes e apesar do fato de que ela estava olhando na direção oposta em uma plataforma maior parte do tempo, ela poderia identificar se alguém estava tendo um problema de entendimento ou executando um movimento a partir de uma milha de distância. "The force is strong with this one". Ela é, sem dúvida, A RAINHA!

O Show
Sem dúvida, o meu show favorito foi sábado! Apesar do fato de que eu não poderia desfrutar da primeira parte do show, porque esse era o dia do meu solo e eu estava me preparando durante toda a manhã, eu tive a oportunidade de reencontrar com amigos no backstage, incluindo Rachel, que eu não via desde o ano passado no Shaman's Fest. E os desempenhos foram insanos! Depois do meu solo, eu rapidamente troquei de roupa para sentar na audiência e assistir algumas das dançarinas. Cada uma era tão boa que eu não sai da minha cadeira por 6 horas!

Meus favoritos foram Rin Ajna (incrível flutuação de energia e ela compôs sua própria música), Mardi Love & Friends (havia TUDO nessa), Ebony, Mor Geffen de Israel, o balé dança do ventre por April Rose, Datura, Colleena Shakti (assistir sua dança ao vivo lhe dará um DANCEGASM!) e, com certeza, o momento inesquecível quando a mãe de ATS®, Carolena toma o palco com Jill Parker, Paulette Rees e Kajira. Os olhos de todos na sala estavam cheios de lágrimas de tanta alegria e admiração por estes quatro pilares da nossa comunidade. É uma experiência que eu nunca vou esquecer.



Principais diferenças entre o público norte-americano e brasileiro
Eu vou dizer que ambos são amistosos e o público no Tribal Fest foi muito acolhedor, mas como uma dançarina que apresentou-se em ambos os países durante os últimos 3 anos, posso te dizer que há uma diferença.  Particularmente nos últimos poucos anos, observei uma mudança em como o público americano percebe o trabalho de uma dançarina. Há uma tendência para visualizá-lo mais de um ponto de vista analítico (quase demais às vezes) tentando analisar o significado subjacente de uma coreografia ou qual método da técnica a dançarina está usando em vez de só permitir eles mesmos de apreciar a arte pela arte.

Agora, por outro lado, e a partir de minha experiência, eu sinto que o público brasileiro vê o trabalho da dançarina através dos olhos de emoção. Por causa disso, eu sou menos tensa e eu me divirto mais quando eu me apresento para um público brasileiro, em vez de preocupar com quem vai notar quando eu cometer um erro técnico. Uma das lições que aprendi com meus anos no Brasil é que o nível de paixão que você traz a sua dança é igualmente importante como a técnica. Um fato que você acha que seria inerente, mas que você não compreende totalmente até ver uma dançarina brasileira executar.

A experiência de dançar no palco do Tribal Fest
De uma perspectiva humorosa, é muito similar a sensação de um acidente de carro ou andar em uma montanha russa perigosa. Seu sangue está bombeando rápido, você pode sentir seu coração batendo, você não pode pensar sobre nada exceto quão nervoso você está e sua visão é um borrão. Em seguida, você anda no palco e o momento inteiro passa num instante. Depois, você não se lembra o que você fez, só como você se sentiu e o que você se esqueceu de fazer. Em seguida, um momento de alívio, seguido por uma sensação de realização quando seus seis sentidos retornam ao seu corpo e você pode ouvir os aplausos do público.

Eu acho que eu estava tão nervosa, não só porque foi a minha primeira vez no palco de Tribal Fest (às vezes precisamos provar a nós mesmos), mas porque eu fui uma dançarina que geralmente executa improvisação que se preparava para apresentar uma coreografia . Além disso, uma coreografia que significou demais para mim, uma parte que eu passei meio ano criando, uma peça que contava a história de uma parte muito difícil da minha vida; a vida de uma pessoa que é muito privada e protegida em relação a seus sentimentos vulneráveis. Você pode encontrar a sinopse do significado da coreografia na descrição do vídeo no YouTube:


Raphaella is an Tribal Fusion Instructor and Choreographer based out of Rio de Janeiro, Brasil. Though originally from sweet home Chicago, Rapha considers herself a Carioca through and through. This choreography is a very near and dear to Rapha’s heart and depicts the emotional and spiritual journey of self-realization, healing and a new found sense of self-worth and discovery she has come through during these last few years of immense change in her life. Instead of repressing these emotions and memories yet again of this abusive part of her earlier life she had run away from, she forced herself to look inside through the silence of her new found surroundings; and instead of locking those feelings deeper inside, chose to release them. She received an unexpected burst in creativity, and the result was this choreography.

Cada parte deste trabalho, a partir da música para cada movimento, foi criada com cuidado para garantir que cada gama de emoção fora tocada e a história poderia ser contada com honestidade.  Eu também desenhei o figurino e o esbocei no papel. Infelizmente, eu não costuro bem, mas eu tenho a sorte de conhecer a  talentosa dançarina, figurinista e querida amiga minha, Aline Oliveira (Nataraja Designs), para dar vida à criação.

Apesar de não ter sido o que eu imaginava, eu estou satisfeita com toda minha experiência ao Tribal Fest e eu acho que eu voltarei ano seguinte, mas desta vez com uma peça divertida sem emoções fortes e intensas; algo rápido e furioso. Além disso, o tema para o próximo ano é "SciFi 16: Dance Long & Prosper!". Como posso resistir?!

Um pouco sobre o After Party
As After Parties eram tão divertidas! Há muitos momentos hilariantes e escandalosos que ainda tenho no meu telefone que eu não compartilhei com ninguém. Além disso, havia exposições especiais por um seleto poucos que foram mantidos em segredo até o último segundo. O meu favorito absoluto foi Leon Mancilla aka Vyper SynVille no After Party no sábado. Foi insano! Mas, a melhor parte é a oportunidade de finalmente conhecer todos os dançarinos que você admirava por anos no YouTube e Facebook. E pra mim, isso foi Ebony!

Aprendizados e vivências 
O público no Tribal Fest reagiu mais e apreciou o divertimento e as coreografias cômicas com um ritmo rápido, em vez de as peças graves e emocionais, independentemente do nível de técnica. Então, meu conselho aos futuros participantes seria para preparar uma coreografia divertida e rápida, reservando as peças dramáticas para um ambiente como o Tribal Massive.









PÓS EVENTO


Mitos e verdades sobre o festival
O sentimento que você tem depois da primeira experiência de Tribal Fest é como espreitar por detrás da cortina do Mágico de Oz. Não era sua expectativa, mas foi ainda uma viagem interessante e gratificante.

Pontos positivos
Fora do seu habitat natural, você aprende muito sobre si mesmo como uma dançarina quando faz a viagem sozinho para um festival dessa magnitude.

Pontos negativos
Porque muitos dos workshops ocorreram ao mesmo tempo que os shows, é muito difícil de assistir todos os seus dançarinos favoritos. E, é impossível de buscar uma vaga de estacionamento depois das 11h nos dias dos shows. Você vai precisar estacionar em uma longa distância e andar 15 minutos a pé de volta para o local.

O quê você gostaria que fosse “importado” de lá para os eventos brasileiros?
Eu gostaria de ver mais atividades em grupo, como parte dos festivais de dança fora dos shows.

Quais conselhos você deixaria para aqueles que gostariam de participar do Tribal Fest?
Além de meu conselho de escolher uma coreografia divertida e de ritmo rápido ou improvisação, POR FAVOR LEMBRE de aproveitar o tempo que eles dão para a sua INTRODUÇÃO. Isto é tão importante! Muitas dançarinas se esqueçem que  às vezes coreografias podem incluir elementos ou temas específicos para sua cultura e / ou nativas a esse país e há uma possibilidade de que o público americano pode não entender o significado da peça porque não está familiarizado com o assunto, símbolo ou o significado espiritual. Essa falta de informação do público tem um grande impacto em como eles recebem o tema de seu trabalho.


 Meu Top 3:

Rin Ajna: 
                      

 Mardi Love & Friends:
                

Ebony: 



Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...