[Organizando a Tribo] Elaboração de Projetos Culturais na Dança

por Melissa Souza

Quem convive comigo já me ouviu dizendo mais de uma vez: “dá gosto ler um release bem escrito!”. Eu escrevi sobre release artístico aqui para o blog em 2016 [http://aerithtribalfusion.blogspot.com/2016/05/organizando-tribo-release-artistico.html] e torno a falar desse assunto agora por um motivo especial: estou participando da produção da 4ª edição da Entre Mundos, feira cultural da Idade Antiga e Medieval, que acontecerá neste ano de 2018, em 27 de Outubro, no clube da Cica, em Várzea Paulista, interior de São Paulo. Dentre minhas funções está auxiliar no recebimento das inscrições, organizar as publicações nas mídias sociais e assessorar os participantes no dia do evento. E estou adorando fazer parte de tudo isso e acompanhar de perto o processo de produção deste evento que participo desde 2013!

Eu e meu namorido, Everton Souza, na edição de 2014 da Entre Mundos

Nas duas primeiras edições participei apenas como visitante, na terceira tive o prazer de ir não somente para dançar como também para organizar as intervenções de dança no ritual de fogo e entre as bandas de folk metal, entre 22h e 04h (tem resenha aqui no blog: http://aerithtribalfusion.blogspot.com/2016/11/resenhando-sp-feira-medieval-entre.html). Foi após este episódio que comecei a propor intervenções de dança tribal em festivais de música e cultura alternativa, o que me levou a participar de eventos como o Mundo de Oz, Gaia Connection e Santa Liberdade. A Carla Mirela, idealizadora da Entre Mundos, também administra o Mausoléu Pub e, após nos conhecermos melhor, também tive abertura para organizar haflas no local em 2017 (http://aerithtribalfusion.blogspot.com/2017/03/resenhando-sp-hafla-tribal.html).

Intervenção no Ritual de Fogo da III Entre Mundos (2016)

Para que tudo isso fosse possível, eu precisei escrever, e muito, sobre a minha proposta com a dança, apresentar fotos, vídeos, referências de publicações na imprensa e links externos. Nem todo produtor tem um canal de recebimento desses arquivos, normalmente as inscrições são feitas apenas por e-mail, então eu organizava a apresentação no corpo do mesmo, em Word ou em PowerPoint - este último, para mim, foi o melhor formato até então. Para a Entre Mundos havia um formulário em Word, e eu sugeri de criarmos esse formulário com o Google Docs, mas fiquei surpresa com a criatividade dos proponentes, que enviaram apresentações até mesmo em vídeo e slideshow. O que quero dizer é que, não importa o formato, o tipo de mídia utilizado, desde que as informações cheguem até os produtores com facilidade, claro e conciso o suficiente para convencê-los da nossa proposta.

Oficina de Dança Tribal no festival Mundo de Oz (2017), oferecida em parceria com Kayra Bach

Com um release bem escrito, conseguimos visualizar a dança acontecendo, para isso necessita descrição não só da dança, como do figurino utilizado, da música, do objetivo que se quer alcançar com a apresentação - para divertir, emocionar, impactar. Se há interação com o público; a dinâmica da coreografia, principalmente se é algo em grupo: tudo é relevante. Infelizmente, muitas propostas foram recusadas por conta da falta de informações e clareza da mesma. Claro que, quando se trata de contatos pessoais dos produtores, é muito mais fácil de incluir num evento - muitos festivais só consegui entrar por conta de conhecer uma pessoa que conhece outra e enfim, por isso as parcerias são tão importantes no meio artístico. Mas não se trata de uma “panelinha”, os produtores realmente anseiam em ver coisas novas e diferentes, e muitos patrocinadores tem interesse em apoiar projetos e eventos condizentes com os seus ideais. É gratificante!

Esse é um dos motivos da Feira Entre Mundos destinar 20% da receita para a Associação Mata Ciliar, em pró dos animais e meio ambiente. A Feira também oferece uma meia entrada promocional em troca de doações para a entidade beneficiada. Além de ajudar a associação, o que vai de acordo com o propósito do evento, a ação também atrai o apoio de muitas organizações, públicas e privadas, como a secretaria de meio ambiente e a participação de artistas que dispensam ou minimizam o cachê em favor dos ideais do evento. Tenho aprendido muito sobre produção colaborativa e espero poder utilizar toda essa bagagem em um evento futuro de dança.

O extinto portal Tribal Archive prestava apoio de mídia à cena tribal nacional e também recebia o apoio e patrocínio de colaboradores e empreendedores da área

Seja com a intenção de dançar, elaborar um projeto artístico ou produzir um evento cultural e assumir esse papel de curador, passamos por etapas similares de planejamento, são elas:

1- Título e apresentação;
2 - Justificativa, metas e objetivos;
3- Cronogramas de pré-produção, produção e pós-produção;
4- Orçamentos - previsão/expectativas e resultados; bem como fontes de captação de recursos, parcerias e patrocínios;
5- Planejamento de marketing, publicidade, mídias e imprensa...

Dentre outros aspectos que variam de acordo com o projeto. Ao pensar o conteúdo das suas aulas de dança para elaborar um workshop temático ou curso modular, por exemplo, passamos por esse procedimento, seja por escrito ou apenas pensado. Os eventos sazonais de uma escola de dança, bem como os festivais e participações em mostras municipais e organizadas por terceiros tem uma finalidade maior, seja para os alunos adquirem experiência de apresentações, como atrair mais alunos para a escola ou apenas desenvolver um relacionamento com o público nas mídias sociais. Por qual motivo acompanhamos escolas e produções de eventos pelas mídias sem a expectativa de fazer aulas ou participar dos mesmos? Temos essa afinidade com a instituição como um todo ou a temos como um referencial em nosso trabalho diário, algo que almejamos.

Dei início à produção de projetos em 2015, após ouvir alguns podcasts da Sala de Dança e ter a experiência gratificante de participar do Curso de Formação com a Joline Andrade, aprendi muita coisa na prática, com tentativa e erro, mas também tive aulas focadas em marketing, planejamento, técnicas de pesquisa e elaboração de projetos ao longo do curso de Comunicação Social e, em 2017, tive o prazer de participar de um workshop com carga horária total de 6 horas focado em elaboração de projetos, ministrado pela Profª Drª Isaria Maria Garcia de Oliveira, que atua na área de produção de espetáculos de dança e festivais de música. Neste workshop ela ressaltou, dentre outras coisas, a necessidade de avaliar a probabilidade de um projeto de acordo com a relevância social, acessibilidade e antecedentes; investir na capacitação dos mediadores e mensurar os resultados através de pesquisas quantitativas e qualitativas (saiba mais em meu blog pessoal http://blog.melissa.art.br/2017/10/elaboracao-de-projetos-culturais.html).

O 2º ano do Projeto Vídeo & Dança foi realizado em parceria com a Dayeah Khalil, organizadora do Tribal Beach Festival e contou com a participação especial da percussionista Nanda Rodrigues

Para complementar, em abril de 2018, assisti também uma palestra sobre dança empreendedora promovida pelo Sebrae de Tatuapé-SP, com a participação de Octávio Nassur, produtor cultural na agência Dance & Concept e coordenador do MBA em Dança, Gestão e Produção Cultural da faculdade Inspirar, de Curitiba-PR (https://www.centraldancadoventre.com.br/publicacoes/divulguese/119/danca-empreendedora/17561). Apesar de ser voltado para proprietárias de escolas de dança, o palestrante tem uma grande bagagem em administração, elaboração de projetos e agenciamento de artistas e transmitiu muito da sua experiência ao público presente.

O curso de ritmos com a Nanda Rodrigues foi um dos projetos pensados para a escola Portal do Egito®, em Jundiaí-SP. O espaço também recebeu os encontros Mulheres que Dançam com a participação de instrutoras convidadas como a Andreia Elektra (Campinas-SP) e a Samaa Hamra (Santos-SP) trazendo temáticas especiais (Artes Sensuais e Dança Meditativa, respectivamente).

Em resumo: estudar, participar de workshops e assistir palestras na área de produção cultural, administração e comunicação é importante para quem deseja trabalhar com a dança e ter a dança como um negócio, seja como performer, instrutor, produtor ou gestor na área, mas por mais que estudemos, é na prática que vamos experimentar o que funciona e o que não funciona. Acredito que cada experiência que tive de 2015 para cá contribuiu para eu encontrar o meu verdadeiro propósito com a dança e espero conseguir transmitir um pouco disso tudo com vocês, trazendo mais conteúdo acerca do assunto com a minha coluna regular aqui no blog, de acordo também com o feedback de vocês.



[Folclore em Foco] Leitura Musical para ATS® - Parte 2

por Nadja El Balady– FatChance BellyDance Sister Studio


MÚSICAS “LENTAS”

As músicas lentas são músicas que vão assumir caráter de valorização da melodia, onde o ritmo de base serve de “chão” para o desenrolar das melodias e harmonias. Desenvolver a leitura musical para músicas “lentas”, é um pouco menos óbvio do que para músicas “rápidas”.

Não seria apenas se deixar levar pela melodia?

Mais ou menos. Nas músicas lentas, nós não fugimos à regra de frases musicais construídas sobre ritmos e mais uma vez, vamos observar os ritmos de base antes de observar o comportamento da melodia.

Ritmo x andamento
Como vimos anteriormente, os ritmos contados em 4 são usualmente usados para leitura “rápida” dentro do ATS®. Se o ritmo for tocado em um andamento verdadeiramente muito lento, é possível mudar a maneira de ler a música, mas se for tocado em um andamento mais corriqueiro para este tipo de ritmo, a música será certamente percebida como “rápida” em termos de ATS®. Por exemplo: Nesta versão da música “Said Roah” gravada pelo grupo Helm, a música inteira tem base no ritmo Said, que é um ritmo 4/4. Em teoria, poderíamos dança-la inteira com movimentos rápidos, porém no início da música o andamento é tão lento que fica quase inviável dançar de forma “rápida” nela. Depois de um determinado arranjo musical, o andamento acelera e já fica mais gostoso de tocar snujs e fazer os movimentos “rápidos”. Então teremos uma leitura “lenta” no início, mudando para “rápida” no final.


Da mesma forma também vamos entender como uma música “lenta”, ou “parte lenta” de determinada música, se os instrumentos melódicos forem tocados com as notas alongadas, em melodias mais lânguidas, mesmo que o ritmo seja em 4 tempos e um andamento bom para movimentos rápidos, vamos acabar puxando a interpretação para os movimentos lentos. Neste caso, é a sua vontade de interpretar o instrumento melódico predominante que determina a escolha dos movimentos usados.

Ou seja: A sua percepção da música é quem vai dizer mesmo ditar o que fazer.

Vejamos este exemplo com a música “Rumelaj” gravada pelo grupo Mawaca: O ritmo de base é o ritmo árabe “Maqsoum”, em 4 tempos, mas a melodia lânguida, a valorização dos instrumentos como acordeom e flauta nos inspiram à movimentação lenta pela maior parte da música, até o arranjo de percussão em que temos uma clara transição onde o andamento da música acelera e a música toma uma energia maior, que vão nos inspirar uma movimentação mais cadenciada, com deslocamentos e batidas no vocabulário “rápido” do ATS®.



Na maior parte das músicas de origem árabe, ou otomana, os ritmos que servem de base para músicas “lentas” podem ter padrões longos de contagem, diferente das músicas “rápidas” que geralmente usam padrões rítmicos em 2 e 4 tempos, os ritmos “lentos” podem ter contagem em 8, 10 ou mais tempos. Contagens em 8 tempos são mais comuns, mas existem alguns ritmos lentos com contagem em 4 tempos.

Vejamos alguns ritmos em 8 e 10 tempos bastante usados para músicas orientais:




Como mencionado anteriormente, a leitura rítmica dentro do ATS® não acontece de forma literal, não é nossa responsabilidade representar os taks e dums dos ritmos, mas é nossa tarefa entender a métrica que o ritmo deixa para a flutuação melódica e encaixar a nossa movimentação nesta métrica rítmica. Tudo vai depender também do andamento em que este ritmo está sendo tocado. Talvez você queira encaixar um Barrel Turn em um compasso de 8 tempos, mas se ele estiver sendo tocado em um andamento mais rápido, sejam necessários 2 compassos para fazer caber o movimento inteiro.

Então se um movimento vai ocupar 1 ou mais compassos, vai depender da complexidade do movimento e também do andamento que que o ritmo está sendo tocado.

Experimente fazer o seguinte exercício:

Escolha alguns movimentos simples ou combinações de movimentos com giros, como por exemplo: Torso Twist; Body Wave; Reverse Turn; Propeller. Experimente dançar estes 4 movimentos nos ritmos Masmoud Kbir e Tchifititelli, ambos ritmos com compasso em 8 tempos, porém tocados em andamentos diferentes. Experimente encaixar os movimentos em apenas um compasso. Quantos Body Wave você encaixa em 1 compasso? Consegue fazer apenas um Body wave em 8 tempos? Fica melhor se forem 2? Mas e se o andamento for mais rápido? Agora experimente com uma combinação mais longa, como Reverse Turn e Propeller, como fica para encaixar o movimento em 1 ou 2 compassos em andamentos mais ou menos lentos?






Depois de dançar com os ritmos puros, experimente o mesmo exercício em músicas que usem os mesmos ritmos na base e perceba como a melodia se comporta com o ritmo para formar as frases musicais, conte as frases musicais, perceba quantos em quantos compassos acontece uma frase musical e tente encaixar os movimentos ao sabor da melodia.





SOBRE MÚSICAS RITMICAS OU ARRITMICAS
Até há algum tempo atrás eu ouvia muito a respeito de uma expressão usada para designar leitura musical para ATS® como músicas rítmicas ou arrítmicas. Eu compreendo que este termo “arrítmico” seria usado para dizer que os movimentos usados no lento do ATS® não teriam uma contagem específica por estarem mais disponíveis a serem adaptados a musicalidades diferentes. O fato que precisa ser esclarecido é que não existe nada e termo de música, e por tanto também de dança, que não tenha ritmo. Não existe música arrítmica, por tanto não existem movimentos arrítmicos. Musicalmente este termo é bastante equivocado. Mesmo que a música em questão não tenha uma percussão, com certeza a melodia foi construída, ou improvisada, em cima de algum padrão métrico de contagem. Na dança, mesmo que não tenhamos uma contagem única para a execução de movimentos lentos, a verdade é que estamos adaptando, mesmo sem saber, a contagem dos mesmos movimentos de música para música. Talvez, em determinada música, você faça o Camel Walk em 4 tempos e em outra música faça em 8 tempos. Você muda a sua interpretação, mas nunca está dançando algo desprovido de ritmo ou alguma contagem.

O que acontece quando você não conta os seus movimentos é que você deixa a cargo da sua intuição a leitura musical, a maneira como você ouve e representa os instrumentos. Quando não temos consciência do que fazemos, podemos não dar o melhor de nós. Toda o método do ATS® pede que você tenha ciência da sua postura, da clareza e limpeza dos seus movimentos e que você conheça a sua música. Que você tenha ciência também dos elementos que compõe a música que você está dançando e isto inclui conhecer os ritmos, conhecer os instrumentos melódicos e percussivos, entender seus arranjos e transições para que as suas escolhas dos movimentos possam ser conscientes, para que o seu desempenho possa ser melhor, sua apresentação possa ser mais interessante, para que você possa ter maior prazer na sua dança e para que o seu conhecimento possa ser repassado sob forma de experiência para outras pessoas.



[Venenum Saltationes] Desvendando: "Isa"

por Hölle Carogne | Participação de Anath Nagendra

Gente, olha que surpresa maravilhosa: estou reabrindo a Série Desvendando, para compartilhar com vocês o trabalho lindo realizado pela bailarina gaúcha Anath Nagendra.

O trabalho dela fala sobre a runa Isa! Vem ler esta matéria incrível e saber o que a inspirou!

*Lembrem-se, qualquer trabalho de dança com conceito místico ou ocultista pode ser enviado para a coluna. Será um prazer divulgar a sua magia transformada em dança! 


ISA: uma encruzilhada em linha reta
Por Anath Nagendra

Sabe crise dos 30? Aquela época da vida em que certas fichas caem e parece que tudo está se desfazendo ao seu redor, vivida principalmente por mulheres? Então, sou cética quanto à essa crença popular em tempos atuais, principalmente por estar enraizada na cultura patriarcal (p.ex. a crise por não ter arranjado marido/filhos).

Mas devo admitir que uso a expressão, de brincadeira, pra ilustrar o melê atual da minha vida. Ainda mais porque a minha “crise dos 30” começou na margem de erro, por volta dos 28 (ou antes, até). Problemas financeiros e emocionais, estresse com o trabalho, preocupações com a família, com a saúde, o choque de realidade de entrar na vida adulta depois de anos dentro de uma bolha intelectual resumida à universidade, a depressão com o estado atual do mundo, autoestima no chão, etc.

Assim, às portas de completar 29 anos, criei “ISA”. E o que diabos isso tem a ver com o que falei acima? Simples, essa performance foi um ritual pessoal “multicamadas”, cuja intenção era quebrar essa onda da “crise dos 30”. Os resultados foram tão “WOW” que senti que essa apresentação merecia uma matéria só pra ela. Obviamente que a “crise dos 30” não sumiu magicamente após a dança, provavelmente precisarei de um tempo e de outros trabalhos internos pra dar continuidade a essa saga, mas certamente este foi o pontapé inicial desse concerto.

E como ocultistas no meio da dança não são exatamente numerosos, acho interessante dividir um pouco destas experiências e percepções, ainda mais por ser um mundo tão particular e subjetivo.


Sendo introvertida (INTJ, especificamente) e com ascendente em escorpião, costumo ser um livro fechado a sete chaves, que revelo somente pra pessoas extremamente íntimas. Mas isso não me impede de abrir certas brechas para o mundo, e aqui isso se faz necessário pra contextualizar os acontecimentos pré, durante e pós-performance. Uma destas coisas é que minha espiritualidade é, literal-metaforicamente, uma salada de frutas. Algo tipo o Tribal Fusion, ou seja, uma manifestação coerente e única que surge da fusão de diferentes elementos.

ISA, para mim e neste contexto da minha vida, canalizou a energia de si mesma, representou a despedida do meu cabelo gigante, deu um boost na minha autoconfiança e autoestima, me ajudou a calar a boca do superego, e foi o resultado de um pedido à um Exu!

Mas tia Anath, quem ou o quê é uma isa?

“Isa” é uma das 24 runas escandinavas, comumente usadas como um oráculo (como o tarot, por exemplo, ainda que diferente). Chamada também de “Is” ou “Isaz”, significa gelo (também correlata do inglês ice), é representada como um único traço vertical, e seu arquétipo é relacionado a questões como: inércia, estabilidade, eixo, cerne, estagnação, equilíbrio, resistência, controle, etc. 


E, como frequentemente acontece com muitos arquétipos – sejam runas, arcanos do tarot, deuses de algum panteão ou os signos do horóscopo –, seus aspectos negativos são enfatizados e o símbolo torna-se estereotipado. Quando comecei a estudar runas, anos atrás, via Isa sempre como um problema ou algo que eu não conseguia decifrar direito, análogo às intepretações, também estereotipadas, do arcano XII, “O Enforcado”, e o hexagrama 33 do I Ching, “Retirada”.

Foi no desenvolvimento da performance que eu fui mergulhando em suas camadas e percebendo sua complexidade e suas facetas positivas. Se Isa surge em uma leitura de runas, é praticamente impossível de se compreender o significado sem considerar bem o contexto da pergunta e ter uma boa intuição. Ela pode indicar que a situação da pergunta está estagnada (ou seja, rígida demais), mas também pode indicar instabilidade (ou seja, frouxa demais), de modo que a estabilidade deve ser buscada. Ela pode ser um bom agouro, indicando que as ações levarão ao centramento e equilíbrio, como também mostrar que tais ações podem levar à inércia. 

Não há motivos para “carimbar” a runa com apenas um significado, ou uma faceta. É impossível discernir isso apenas olhando pra ela. Isa é um arquétipo complexo em si mesmo, uma energia misteriosa presente em absolutamente tudo. Não é à toa que não há como ignorá-la quando construímos, por exemplo, um símbolo que é uma combinação de runas, ou mesmo quando utilizamos uma única runa, pois, sendo todas traços retos, Isa está sempre embutida no desenho, e portanto se faz presente em todas as situações.

A primeira camada de significado presente na minha dança foi: Isa como estabilidade. Estes foram os elementos que busquei canalizar ao construir sua performance, buscando trazer pra minha vida – interna e externa – ao menos um pouco de seu cerne. Para isso, utilizei a música “Isa”, da banda norueguesa Wardruna – que, aliás, criou três álbuns totalmente focados nas runas –, desenvolvi um figurino simples em tons de branco e prata claro, maquiagem artística branca e prata, e procurei evitar sair do lugar durante a dança. Afinal, uma runa toda voltada ao eixo e rigidez não clama por muito deslocamento, certo?


A performance, ainda que tenha sido improvisada, tem uma estrutura “narrativa”: inicio parada, enrijecida, trêmula de frio, como se despertando lentamente de uma longa inércia. Ao me erguer, os movimentos, ainda “quebrados”, com acentos e tickings, representam a quebra do gelo do corpo. Conforme a dança avança, vou me tornando mais fluída, permanecendo no eixo. As “unhas” que uso representam o gelo também, como estalactites, que vou me desfazendo (acreditem, esse simbolismo eu percebi apenas depois, assistindo ao vídeo). Mais para o final, me movimento de maneira circular, lenta e calmamente, mantendo o eixo, representando a fluidez centrada e estável como faceta positiva da energia de Isa.

Curiosamente, o vídeo está com um micro delay no áudio, o que conferiu um ar meio “creepy”, em especial no início. :p 

A segunda camada foi perceber o simbolismo referente ao equilíbrio fornecido pela runa. Tempos antes da apresentação, quando eu ainda estava cogitando dançar essa runa, estava escutando a música original (tive de editá-la para diminuir a duração), e devaneando minha performance mentalmente. Costumo fazer isso sempre, pois isso me ajuda a verificar se o que a música me transmite é passível de ser feita (considerando meu atual repertório e capacidades), a bolar o figurino, narrativa, etc. Pois desta vez, percebi que o devaneio se desenrolou de forma que a apresentação de Isa seria uma “despedida” do meu cabelo.

Contexto: como podem ver nas fotos, tenho um cabelo mega comprido. Sei que eu sempre quis ter um cabelão, mas não consigo mais me lembrar do motivo, apenas que eu adorava – e ainda adoro – quando as pessoas se chocam com o tamanho dele. Mas sempre tive muita dificuldade em fazê-lo crescer, pois passei a vida tingindo com tintas de farmácia, sem cuidar ou ir a salão, o que me impedia de deixa-lo muito grande pois as pontas ficavam horrendas. Quando troquei a química por henna, ele ficou muito mais saudável e pude atingir o comprimento atual sem ele estar detonado – ainda que precise de um tantin de tratamento. Mas, mesmo assim, meu cabelo é deveras fino, quebra e enoza fácil, fora que tenho pouquíssima quantidade de cabelo.



Quando eu finalmente atingi esse comprimento diferentão que eu sempre quis, comecei também a perceber que eu não estava exatamente feliz por isso. Praticamente nunca o uso solto – quente demais no verão, fica se enroscando em tudo, etc. –, e mesmo quando solto, não tem muito movimento ou expressividade. Mesmo na dança (do Ventre, ao menos) não conseguia utilizá-lo em movimentos, pois é leve demais. E como não costumo ir a salões pra deixa-lo ajeitado e nem fazer isso eu mesma, acaba que a aparência natural parece um tanto desleixada. Além disso, há algum tempo tenho sentido muita vontade de brincar com volume nas madeixas, mas nesse atual estado, é praticamente impossível avolumar qualquer coisa.

Foi aí que percebi que teimar em continuar com o cabelão não era o que eu queria, mas ainda assim, eu senti resistência em considerar um corte dramático. E essa resistência era um sinal de apego, mas um apego perigoso: aquele que, na realidade, é o medo da mudança. Aquele apego às expressões de espanto das pessoas, mas que não me agregam nada. Aquele apego que também tem raízes na cultura patriarcal, que diz que mulher tem que ter cabelão. Aquele apego a uma identidade que tentei construir por anos, mas que agora vejo que não sou eu. Não necessariamente.

Meu cabelo se tornou um excesso, um dos muitos que geram meu desequilíbrio interno.
Tem muito mais coisa por trás disso, mas não irei me alongar demais. Basta dizer que outro fator importante nesse contexto, e consequentemente para a performance da Isa, é que estou há algum tempo trabalhando internamente para destruir bloqueios e amarras que impedem a minha expressividade. Um deles é de libertar parte da minha Sombra (viés junguiano) que é o meu Sol em Leão, das “garras” do Superego (viés freudiano), e uma das ferramentas que estou usando para isso é uma ritualização do corte do cabelo.

Aí você vai pensar, “ah, então é por isso aquela enrolação de cabelo no vídeo, legal!”, e eu vou te responder, “sim e não”, e aí você vai ficar “WTF”. Explico: como disse acima, tive o devaneio em que a performance seria essa despedida, em que eu interagia com as madeixas. BÃT, eu acreditei que isso seria uma camada simbólica da dança, e não literal. Quando ensaiava a estrutura da dança, ignorei totalmente esse aspecto, o cabelo seria apenas um elemento estético. Ledo engano :p 



Logo que começou a apresentação, o cabelo enrolou forte numa das minhas mãos, já fazendo com que uma das unhas caísse. Isso não estava nos planos. Mas, ao invés de sentir aquela adrenalina e pensar “fudeufudeufudeufudeu”, eu percebi na hora que a performance QUERIA que eu interagisse com o cabelo e representasse o simbolismo da despedida. Assim, imbuí o acontecimento na dança e segui o baile. Ou seja, sim, estava nos planos, e não, não estava nos planos. Hehehe

E isto puxa a terceira camada, que aqui não relaciono a um simbolismo específico, mas à manifestação da runa: a tranquilidade. Tranquilidade como a consequência do centramento, do equilíbrio. Porém, isso não veio depois da performance, mas sim antes. Não sei exatamente quanto tempo antes, mas percebi, conforme se aproximava o dia do evento, que eu não estava nem um pouco preocupada com nada. Construí a performance com calma, testei figurino sem nenhum estresse, e nem um pingo de ansiedade surgiu antes ou durante, e mesmo depois tive apenas a ansiedade de ver como ficaram as fotos e vídeo, com uma expectativa bem animada.

Talvez você ache isso normal, mas, ao menos no meu caso, foi a primeira vez que isso aconteceu. Mesmo com quase sete anos de dança, continuo sentindo aquelas borboletinhas no mínimo logo antes de entrar no palco, mas desta vez, nem isso! E só depois da performance que fui perceber que isso provavelmente já era a Isa se manifestando em mim, me trazendo estabilidade mental e emocional que me permitiu cria-la sem nenhuma dor de cabeça, e que certamente influenciou a minha reação tranquila ao “causo” do cabelo enroscado. 


Finalmente, a quarta camada: a performance como resultado de um pedido a um Exu! <o>
Explico: há algum tempinho tenho tido contato com alguns elementos da Umbanda, pela primeira vez. Esse contato surgiu espontaneamente, e culminou na minha descoberta de que o meu Exu era especificamente o Zé Pelintra. Estudando sobre ele e tendo contato através de Imaginação Ativa, combinamos que ele iria me dar um auxílio na guerra contra o superego. E, algum tempo antes da performance de Isa, eu estava em um dia particularmente down e pedi a ele que me ajudasse com um pequeno boost na minha autoestima, em troca de uma vela. Ok, deixei isso de lado, quando eu percebesse que o favor foi concretizado, acenderia a vela.

Poucos dias após a apresentação, recebi as fotos e o vídeo. O que aconteceu foi algo que eu não estava esperando: pela primeira vez na vida, eu estava me admirando, tanto nas fotos quanto no vídeo. Pela primeira vez na vida, eu não dei bola para a barriga gordinha, tamanho o encantamento com o resto. Pela primeira vez na vida, me encantei comigo mesma da mesma forma que admiro minhas bailarinas favoritas.

Talvez você pense que isso é narcisismo, talvez você pense que é porque sou leonina, talvez você pense que isso é algo normal. Não para mim. Por mais que eu gostasse de uma performance/fotos minhas, sempre havia aquela vozinha crítica, aquela que aponta o que não tá legal, o que não tá bem feito, as gordurinhas, etc. Resgatar o meu amor-próprio e autoestima é um dos meus principais focos atuais, tamanha repressão que fiz da minha própria vaidade e autoconfiança.

E foi nessa hora, quando percebi como eu estava me admirando, que me toquei: o pedido que tinha feito ao Seu Zé foi cumprido. Com essa performance eu consegui realizar algo que outrora eu não acreditaria que pudesse fazer, que era calar a boca do crítico interno. Com essa performance, eu consegui, de maneira inédita e sincera, não dar bola para o meu sobrepeso. 

Obviamente, o resultado disso é um pequeno boost na minha autoconfiança.

Laroyê, Zé Pelintra!

Espero que esse textão tenha sido interessante, e que possam ter uma pequena noção do que a dança pode nos proporcionar como ferramenta de experimentações esotéricas. Logo abaixo deixo o vídeo, para quem quiser ver como tudo isso aí se manifestou.


A performance ocorreu na Mostra de Danças de Inverno do Centro Municipal de Dança de Porto Alegre, no dia 25 de julho de 2018. Registro em vídeo por Luhã Valença, e fotos por Fernando Espinoza. 



[Resenhando SP] Tribal no teatro


por Irene Rachel Patelli


Adorando ver o tribal se tornar cada dia mais conhecido, não só como dança mas como técnica de criação no teatro.


Esses dias estava em cartaz no SP Escola de Teatro – Sede Roosevelt (na capital de São Paulo) a peça ‘’Cabeças Trocadas’’ do grupo Caixa de Fuxico. Com a direção de Rosana Pimenta e as atrizes Andrea Cavinato e Estela Carvalho que, além de atuar, cantavam e tocavam instrumentos ao longo da apresentação. Para quem gosta de cultura indiana foi um prato cheio onde os personagens foram muito bem interpretados, inclusive a deusa Kali.





Não vou contar sobre a peça em si para que role uma curiosidade e, entrando em cartaz novamente, vocês possam assistir sem spoiler. O meu ponto nesse texto é sobre a atriz Andrea que fez aulas de dança indiana, tribal fusion e ATS (American Tribal Style) para compor e enriquecer os personagens interpretados por ela nessa peça. Então, assistir essa peça foi mais interessante ainda para quem conhece ver as nossas influências numa criação.


Para quem quiser saber mais sobre a peça é só procurar no facebook ‘’Cabeças Trocadas’’ ou também pela página do grupo Caixa de Fuxico.




É uma peça que espero que volte e que faça apresentações em outros estados para que a galera do tribal possa curtir, assim como a outra peça que também assisti e gostei muito, a "Àtma" que aconteceu em duas temporadas, uma delas no Teatro Satyros 1 na praça Franklin Roosevelt, também em São Paulo, capital. Com concepção e direção de Ciro Barcelos no elenco Daniel Falcão, Diógenes Gonçalves, Gustavo Galliziano, Jhonatan Hoz, Ju Messias, Patrícia Barbosa e Renata Toledo; músicos Vítor Deamo, Vítor Toledo, Rafa Diniz e Toi.





Esse espetáculo foi muito bom e, nele, além de todo o contexto ter muito a ver com o tribal, uma das atrizes e também dançarina Ju Messias mostrou um pouquinho de nossa tão amada dança, o tribal fusion. A foto a baixo mostra o momento em que se apresenta. Mais algumas fotos para verem o quanto tinha de tribal nessa peça e o quanto foi linda.


Para saber mais sobre essa peça, procure no facebook por Àtma – Um espetáculo de Ciro Barcelos.


As duas peças foram fantásticas e saí das duas com muitos questionamentos. Amo peças assim, que me acrescentam e me fazem desenvolver como artista e como pessoa.

Esperamos mais temporadas dessas peças que super recomendo para toda a galera do meio tribalístico.

E não posso me esquecer de contar que a primeira peça teve seus figurinos criados pela Juliana Bertonine, integrante do grupo Sisterhood ATS e a segunda peça as saias foram confeccionadas pelo ateliê Khalidah da professora de ATS Lilian Kawatoko

Quer mais tribal no teatro que isso?

No facebook vocês encontrarão muitas outras fotos fantásticas das duas peças e também informações super interessantes, não deixem de dar uma olhadinha.


 





[Folclore em Foco] Leitura Musical para ATS® - Parte 1

por Nadja El Balady– FatChance BellyDance Sister Studio


O que significa leitura musical para ATS®?
Significa que existe algo a mais na preocupação das dançarinas de ATS® além de coordenar movimentos, posicionamento no espaço e o toque dos snujs. Significa que sua escolha de passos e combinações, suas transições de liderança estão inspiradas pela música e em harmonia com seus arranjos e transições.

Vamos entender alguns componentes principais das composições musicais e tentar, de forma simples, encaixar com nosso entendimento da técnica de ATS® para aproveitar estes elementos da melhor forma possível.

Vale lembrar que todo o método do ATS® já foi pensado para você tirar o melhor proveito da sua leitura musical. O próprio método em si tem várias indicações de como entender e dançar determinados padrões musicais, mas leitura musical é onde reside a arte, ela é pessoal, revela como você percebe a música que está tocando e como reage a ela, revela como está a sua escuta e a sua capacidade de lidar com o todo que é improvisar em grupo dançando e tocando ao mesmo tempo.

Primeiro, vamos analisar dois elementos estruturais da música para nos dar embasamento: Ritmo e melodia.

Na minha percepção, compreender o ritmo de base de uma música é a primeira coisa que devemos fazer para entender a música dentro do conceito musical para ATS® que nos diz que são 3 linhas de leitura que podemos seguir: Músicas “rápidas”, “lentas” e “lentos dramáticos”.

A leitura rítmica dentro do ATS® não acontece de forma literal, não é nossa responsabilidade representar os taks e dums dos ritmos, como faz a Dança do ventre tradicional, mas é nossa tarefa entender a métrica que o ritmo deixa para a flutuação melódica e encaixar a nossa movimentação nesta métrica rítmica. É esta métrica que nos interessa, que vai fazer com que dança e música se tornem uma só coisa.

Os ritmos usados para dançar músicas consideradas rápidas no ATS®, em geral, serão ritmos cujos compassos serão contados em 2 ou 4 tempos. Existem algumas exceções para ritmos contados em 6 tempos. Mas o que é compasso? Compasso é a célula rítmica. A maneira como este ritmo é estruturado em sua forma e em quantidade de notas.



Como as músicas utilizadas para dançar ATS® em geral são orientais, vamos trabalhar com exemplos dentro dos ritmos árabes. Vamos ver dois exemplos de compasso de ritmos contados em 2 e em 4: Malfuf (ou Laff) e Maqsoum, no caso Malfuf com 2 tempos e Maqsoum com 4 tempos. Nas figuras abaixo, podemos ver o ritmo escrito na pauta, que são as cinco linhas usadas para escrever a música. Temos a imagem da clave de sol e em seguida uma fração. O numerador da fração representa quantos tempos tem o ritmo e o denominador é um indicativo do valor das notas, mas este valor, para entendermos a estrutura rítmica, agora não é importante. O mais importante para nós, no momento, é compreender o numerador da fração. O Malfuf é um ritmo cuja “célula” acontece e se repete de 2 em 2 tempos. Maqsoum é um ritmo cuja “célula” acontece e se repete de 4 em 4 tempos. A maioria dos ritmos populares, tanto orientais quanto ocidentais acontecem em 4 tempos, na fração 4/4.





MÚSICAS “RÁPIDAS”
Ok! Se os ritmos das músicas “rápidas” são contados em 2 ou 4 tempos em geral, por que contamos as músicas de 8 em 8 tempos?

Por causa da chamada “frase musical”. A frase musical é a maneira como o compositor se utiliza da métrica rítmica para compor a melodia. Uma ideia melódica usa 8 tempos para encontrar seu sentido e pode ir se complementando, repetindo ou encontrar resposta nos próximos 8 tempos e assim sucessivamente.  Escute estas músicas e conte de 1 a 8 desde sua primeira nota e perceba como a melodia flui de 8 em 8 tempos.

Significa que se o ritmo base tiver 2 tempos, a frase musical usa 4 compassos para acontecer, se o ritmo de base tiver 4 tempos, a frase usa 2 compassos.

2 tempos – Frase musical em 4 compassos:



4 tempos – Frase musical em 2 compassos:




NÃO CONTE APENAS OS PASSOS, CONTE A MÚSICA!


Sabemos que no ATS®, para que a estrutura de improvisação funcione, precisamos contar os passos e combos dos movimentos rápidos sem cessar, se não arriscamos deixar alguma coisa incompleta e a movimentação pode acabar não fazendo sentido para quem está sendo liderado. Será interessante que além de contar os passos que faz, a dançarina use a contagem para integrar os movimentos na própria música.

Tendo identificado o ritmo de base, a dançarina deve observar a maneira como a melodia se comporta: Como a música começa, onde entra a melodia principal e como ela pode fazer para distinguir um momento do outro.

Por exemplo: Na música “Kako Kolan” gravada pelo grupo Helm, temos uma entrada percussiva, uma melodia tocada com acordeom e a voz que entra em seguida. A entrada percussiva leva 8 tempos. O acordeom desenvolve sua primeira ideia em 16 tempos e depois a repete em mais 16 tempos, ou na linguagem de dança “4 oitos”. Em seguida a voz vai entrar igualmente usando “4 oitos” para desenvolver a primeira ideia, mais “4 oitos” para desenrolar uma continuidade e então “4 oitos” para fazer acontecer o refrão.

Tendo em vista uma estrutura como esta, tente fazer casar as ideias de movimentos com as ideias da música, por exemplo: Se temos 8 tempos iniciais apenas com a percussão, evite começar uma combinação longa neste momento, use movimentações simples e curtas como Shimmie, Bumps ou Arabic. Quando o acordeom entrar, tente pensar em movimentações que tenham 16 tempos, como Chico 4 Corners, ou mesmo uma sequência de Egyptians. Você pode escolher 2 sequencias de movimentos em 16 tempos ou se escolher fazer o Sunanda, por exemplo, ele sozinho poderá ocupar toda o momento inicial dos 4 oitos de acordeom. E assim sucessivamente.

A qualquer momento, evite iniciar um movimento mais longo no 5º tempo (ou qualquer outro tempo que não seja o 1º) de uma frase musical. Mesmo que dentro da métrica rítmica, sua sequência de movimentos vai acabar desencontrando da construção melódica e dos arranjos da música. Procure casar o tempo 1 dos movimentos com o tempo 1 das transições musicais. Assim você vai garantir que sua dança sempre vai estar em harmonia com a música.






LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...